jusbrasil.com.br
29 de Outubro de 2020

Consulta jurídica, cobrar ou não!

Felipe Matias do Vale, Advogado
Publicado por Felipe Matias do Vale
ano passado


  No dia de hoje irei retornar como uma série de textos direcionadas para os advogados, nessa série de textos pretendo abordar distintos temas, como questões da vida prática do advogado, audiências, peticionamento, cobrança de honorários entre outros temas.

  Mas agora o ponta pé vai ser para falar de um tema que provoca grande debate a cobrança de consultoria.

  Recentemente estava em um café, quando meu telefone tocou, um número desconhecido, atendi normalmente, um possível cliente se identificou e informou seu problema, disse que recebeu uma intimação informando a respeito de uma execução fiscal em seu nome.

  A pessoa informou que estava sem chão, não sabia como agir e que, àquela dívida não era dela que havia acontecido um problema e que a dívida acabou ficando como sendo de sua responsabilidade, mas na verdade era de um terceiro.

  Eu já pensei de imediato: “Opa um cliente com um problema que entende que essa situação deve ser solucionada”. Maravilha né, a conversa foi correndo de maneira usual.

  Fomos conversando e informei que seria interessante conversarmos pessoalmente para o tema me fosse explicado de melhor maneira, para que fosse realizada uma boa entrevista para o melhor entendimento do caso e em principal o esclarecimento das dúvidas.

  Nossa, o cliente achou excelente e muito bom, pois em dois dias já nos encontraríamos, então depois de mostrar o valor dos serviços que seriam realizados, chegou a hora de informar o preço que teria que ser pago um valor por essa consultoria e, quando fui dar sequência na minha fala.....fui interrompido bruscamente e a voz com tom de irritação diz:

  “Não Felipe, pode desmarcar, não vou pagar ninguém para responder uma pergunta para mim não”.

  Nesse ponto e interessante fazermos a reflexão cobrar ou não consultoria eis a questão?

  Sim, devemos cobrar a consultoria sim, apenas pense em todo os esforços que você passou para chegar ao ponto de ser advogado, o tempo dedicado aos estudos, as noites em claro para estudar ou então se preparar para alguma reunião e, em principal todos os valores que foram gastos na sua formação, que vão desde o adimplemento da universidade, compra de livros, aquisição de cursos de atualização, especializações entre outras despesas existentes ao longo da carreira de advogado.

  Será que depois de todo esse meu empenho e esforço não devo cobrar para a pessoa “beber do conhecimento direto da fonte”.

  Se os motivos acima não foram suficientes para lhe convencer, farei minhas as palavras de um grande amigo “fica sem cobrar consultoria de 5 clientes garanto que nenhum vai fechar com você, depois cobra a consultoria de 5 clientes, garanto que uns 4 vão fechar o contrato com você”.

  Voltando ao caso da ligação que recebi, no mesmo momento lembrei desse comentário quando a ligação se encerrou e, não senti a menor preocupação de não ter agendado a reunião com essa pessoa e digo isso por uma simples crença.

  A pessoa que não está disposta a pagar se quer uma consultoria, não estará disposta a pagar o valor de honorários advocatícios justos de acordo com o caso dela.

  Mas Felipe eu vou ficar sem cliente!

  Não meu caro colega, o fato de você cobrar as suas consultorias demonstra a valorização que você faz do seu serviço e, que existe um valor por trás dos seus esforços. E como já mencionei a probabilidade de um cliente que não está disposto a arcar com uma consultoria, fechar o contrato é ínfima, mas caso feche, sem sombra de dúvidas, não irão pagar um valor coerente com o serviço que será entregue, e você irá levar prejuízo.

  E você meu leitor o que acha do tema, cobrar ou não consultoria, deixe aqui a sua opinião, e vamos conversar sobre o tema.

  - > Para mais conteúdo acesse: https://matiasdovale.jusbrasil.com.br/ ou https://www.matiasvale.com/

29 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Eu costumo cobrar pela consultoria mas esse valor poderá ser descontado dos honorários em caso de fechar contrato.
Para aqueles que não fecham contrato, pelo menos não me fazem perder 2 horas do meu dia. Pagam o valor correspondente e seguem a vida deles. continuar lendo

Perfeito Luiz, também utilizo dessa atitude.
Se o possível cliente fechar o contratar a assessoria jurídica, faço um abatimento no valor final do contrato, referente ao que foi pago pela consultoria. continuar lendo

Faço exatamente igual...

Se for só uma conversa (no máximo 1:30) eu cobro R$ 250,00 ! Pago no início da reunião !

Se tiver que analisar documentos ... R$ 500,00

Se a pessoa tiver realmente direito e optar por fechar negócio ... esse valor será abatido !

Impressionante como isso fez bem para a minha rotina ... os clientes valorizam cada minuto e cada centavo investido ! continuar lendo

A consultoria deve ser cobrada, sim.

Trata-se de um serviço técnico, altamente especializado, e que deve ser respeitado.

As pessoas confundem "consultoria advocatícia" com "palpite jurídico".

Palpite jurídico qualquer um dá, sem precisar entender do assunto. continuar lendo

Concordo Newton.
Devemos valorizar nossa atividade profissional e, cobrar consultoria sim! continuar lendo

Muito bom o texto Felipe.
Também cobro a consulta, e penso exatamente da mesma forma que você.

As pessoas não tem noção de quanto gasto temos até chegar ao ponto de responder "somente uma dúvida delas".

Parabéns pelo artigo.
Abraço! continuar lendo

Agradeço as palavras Suely! continuar lendo

O melhor é cobrar a consulta mesmo, já passei algum tempo sem cobrar consulta para experimentar. E vi que não compensa, as pessoas começam a espalhar para as outras que você não cobra consulta, e vem um enxame de curiosos que nem tem nada pra resolver de verdade e só querem gastar seu tempo. Bebem água, café, comem biscoito, ficam no ar condicionado, e no fim o advogado perdeu tempo e dinheiro. Agora sempre cobro, e sempre falo quando dizem que só querem tirar uma dúvida "Eu paguei para ter essas informações, porque deveria fornecer de forma gratuita?". continuar lendo